Primeiro Hospital de Curitiba inicia Gerenciamento de Leitos com Voice

No Hospital São Vicente em Curitiba, o Grupo Morhena iniciou sua operação de terceirização de limpeza e dentro de seu pacote de serviços entregou o Sistema de Gerenciamento de leitos da Voice.

O Voice neste projeto está integrado com o Sistema MV e com a plataforma da Avaya.

Consultora de Hotelaria Hospitalar

O Voice atua beneficamente na Higienização Hospitalar e no Gerenciamento de Leitos. É fundamental para dar transparência de informações e na gestão de pessoas e processos,

A implantação foi liderada pela consultora em Hotelaria Hospitalar Ana Augusta Blumer Salotti , que neste projeto foi contratada pelo Grupo Morhena para toda implantação de seu serviço terceirizado na área de Hotelaria e garantia de que as melhores práticas estão sendo aplicadas.

Segundo Ana Augusta :

“O Sistema VOICE nos ajuda a controlar, gerir e melhorar o processo como um todo, tanto por meio das informações geradas em tempo real, quanto por meio de uma espécie de fiscalização do desempenho de cada pessoa e cada área envolvida no processo. Dessa forma temos subsídios para alcançar melhores resultados como consequência.”

No vídeo a seguir, temos um depoimento da Consultora Ana onde ela interage em suas redes sociais durante a implantação:

Um destaque deste projeto é que além do Gerenciamento de leitos, implantamos o controle da programação das Higiene terminal de diversas outras áreas do Hospital. Em uma tela dá para ver tudo que está planejado, realizado e se atrasar alarmado …

A seguir algumas telas,

  • uma onde é realizada a programação direta no Voice,
  • outra tela onde toda as programações são visualizadas no calendário ,
  • e outra do Dashboard de gerenciamento on line…

Temos o compromisso do Grupo Morhena e da Ana Augusta, aproveitar esta implantação e publicar em breve um artigo detalhando os ganhos operacionais que o Voice está proporcionando ao Hospital São Vicente.

Devido a Pandemia fizemos a capacitação remota dos colaboradores com o apoio de material visual como vídeos e aulas on line. Durante a ativação, respeitando os protocolos de segurança reforçamos o uso do sistema para as equipes internas na semana passada. A seguir algumas fotos onde temos o Sócio da Voice Marcius Wada e a consultora Ana Augusta.

Sobre o Hospital São Vicente-Funef

Fundado em 1939, o Hospital São Vicente tem ampla atuação no transplante de fígado e rim, e nas áreas de Oncologia e Cirurgia. De alta complexidade, atende diversas especialidades clínicas e cirúrgicas, sempre com foco na qualidade e no tratamento humanizado. Desde 2002, a instituição é gerida pela Fundação de Estudos das Doenças do Fígado Koutoulas Ribeiro (FUNEF).

Sua estrutura conta com Pronto Atendimento, Centro Médico, Centro Cirúrgico, Exames, UTI, Unidades de Internação e Centro de Especialidades. O programa de Residência Médica credenciado pelo MEC nas especialidades de Cirurgia Geral, Cirurgia Digestiva, Cancerologia Cirúrgica e Radiologia.

Mais informações: 

Hospital São Vicente – Funef Rua Vicente Machado, 401 – Centro – Curitiba/PR – (41) 3111-3000

Sobre o Grupo Morena

O Grupo Morhena atua nos setores de limpeza, coleta e logística.

Trabalha com a terceirização de multi serviços; com coleta, transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos; engenharia, logística ambiental e locação de máquinas e equipamentos para limpeza predial e urbana.

Fundado em 1979, o grupo possui em seu quadro de profissionais cerca de 3.000 colaboradores, atuando em mais de 260 municípios espalhados em todo Brasil.

Uma trajetória em contínuo desenvolvimento, alinhada com o compromisso com a qualidade, a transparência, com o respeito ao meio ambiente, com a saúde e segurança dos seus colaboradores e comunidade.

Importância do Gerenciamento de leitos Voice para Hospitais usuários MV

É recorrente a pergunta sobre integração com MV !

Este post foi feito especialmente para ilustrar como nosso Gerenciamento de leitos agrega aos Hospitais usuários do Sistema MV.

Vital para alcançar a eficácia nas internações, o gerenciamento de leitos é um processo chave de um hospital, promove a utilização dos leitos disponíveis em sua capacidade máxima.

Incorporar uma metodologia de gerenciamento de leitos hospitalares eficaz vem se tornando fundamental. Investir em processos e ferramentas para agilizar o processo de internação é algo essencial para maximizar resultados.

Criar e acompanhar indicadores de desempenho são atividades fundamentais para uma gestão eficiente na Saúde. Métricas garantem que os resultados traçados no planejamento estratégico sejam alcançados. Permite à organização agir em tempo real diante dos desafios.

Mesmo com um software excelente de Gestão Hospitalar, ainda há lacunas manuais as quais não são cobertas. Nosso sistema é complementar, e consegue cobrir estas lacunas no gerenciamento de leitos. Temos diversos casos de sucesso nos quais transformamos a produtividade de Hospitais os quais já eram usuários do Sistema MV.

temposgirodeleitoanoanoA implantação do Sistema MV já gera alguns benefícios à Gestão de leitos, um de nossos clientes registrou a evolução ano a ano dos indicadores de giro de leito e fica explícito o impacto que cada sistema.

Estes dados são muito esclarecedores e servem como referência para os Gestores. No artigo O que mudou com a utilização do Voice, temos mais detalhes deste caso.

Alguns Hospitais que são referência no mercado brasileiro possuem o gerenciamento de leitos da Voice integrado com o MV, dentre eles destacamos alguns:

  • Hospital 9 de Julho,
  • Congregação Santa Catarina (Hospital Santa Catarina, Casa de Saúde São José, Santa Tereza etc.)
  • Hospital Anchieta,
  • Unimed Volta Redonda,
  • Hospital Moinhos de Vento,
  • Hospitais São Camilo (Pompéia, Santana e Ipiranga)
  • Unimed Fortaleza,

Moinhos de Vento

moinhos no congresso de hotelaria

O Hospital Moinhos de Vento já participou de alguns congressos e simpósios onde apresentou seus resultados com o Voice:

O Moinhos também foi destaque do Site Hotelaria Hospitalar.

Hospital Anchieta (DF)

O Hospital Anchieta também já era usuário do Sistema MV, e depois da implantação do Voice teve ganhos muito expressivos.

No vídeo a seguir temos um trecho da entrevista de Izabela Moreira ao Site Hotelaria Hospitalar onde deixou claro que com o Voice:

  • conseguiu maior eficiência nos processos,
  • com a metodologia do sistema possibilitou engajar toda a equipe,
  • teve a melhoria no tempo de giro de leito, eliminando em média 4 horas que o leito ficava aguardando inicio de limpeza,
  • aumento da eficácia e melhoria do giro do leito,
  • possibilitou incutir a liberação de leito mais ágil,

Link da entrevista na integra

Este Hospital já apresentou seus resultados em Congressos e Simpósios. Na III Jornada de Hotelaria Hospitalar do DF e GO , Izabela demonstrou o Case em Gerenciamento de leitos e destacou o uso da tecnologia. Mostrou como se beneficiou da integração entre Voice e MV.  Mostrou vários painéis vivos de acompanhamento que proporcionam o controle em tempo real.

No final de sua palestra, Izabela demonstrou os ganhos no giro do leito que teve com a implantação do Voice:IMG_8323.JPG

  • Tempo de espera:
    • de 4 hs 46m 20s
    • para 1h 27m 25s
  • Tempo de deslocamento
    • de 7m 55s
    • para 8m 14s
  • Tempo de Higiene
    • de 1h 0m 47s
    • para 52m 26s
  • Tempo de supervisão
    • de 36m 29m
    • para 16m 54s
  • Tempo total:
    • de 6hs 31m 35s
    • para 1h 54m 02s

Hospital Unimed Volta Redonda

O Hospital Unimed Volta Redonda é um exemplo de Hospital que sempre investe em tecnologia . Uma evidência disto é por ele ser um dos primeiros Hospitais com qualificação de Hospital Digital na América Latina, tendo o Himss ERAM 7 (nível máximo). Temos nosso sistema desde a criação do Hospital e ele foi o sistema de integração oficial com a MV.

A Unimed é um bom exemplo em que nosso sistema dá indicadores adicionais a operação. Recentemente o Hospital refez seu processo de terceirização de limpeza e aproveitou os indicadores on line de nosso sistema para colocar estes como SLA no contrato.

Na tela a seguir, o indicador de Porcentagem de execução das limpezas concorrentes realizadas antes do meio dia.

Porcentagem de limpezas concorrentes realizadas

Os relatórios agregam valores aos nossos processos pois direcionam nossas estratégias. Foi um ganho para o setor e para geração de resultados. Hoje, deixamos de atuar diante de percepções e monitoramos de fato cada etapa do processo.

Jéssyca Moreira

Líder de Hospitalidade da Unimed Volta Redonda

Dentre os diversos controles que se transformam em gerenciamento do resultado do terceiro, temos o relatório a seguir que demonstra quantas Limpezas terminais foram realizadas na meta e quantas não.

telanameta

Outra ação que nosso sistema proporcionou, foi ter on line a produção de cada trabalhador. Os melhores são premiados ! No mês passado as 3 que melhor desempenharam na limpeza concorrente e as que melhor desempenharam na limpeza terminal foram premiadas com um dia de Beleza.

Veja um exemplo deste relatório:

relatorioconcorrentesranking

 

 

Hospital 9 de julho

O pioneiro com uso de nosso sistema integrado ao MV,  este é um dos Hospitais que estão mais avançados no controle de seus processos. Ao entrar na sala de Hotelaria chama atenção que todos acompanham o Voice, o engajamento envolve todos e é impressionante como até os funcionários da prestadora de serviço são envolvidos.

No Hospital 9 de Julho, o processo de Gestão de leitos cresceu e hoje somos o sistema mandatório de manutenção. Os acionamentos são realizados pelo Voice.

Hospitais da Congregação Santa Catarina

Hospital Santa Catarina

Atualmente abrange 5 Hospitais da Congregação:

  • Santa Catarina (SP),
  • Casa São José Humaita (RJ),
  • Santa Teresa de Petrópolis,
  • Nossa Senhora da Conceição em Três Rios e
  • São José de Teresópolis,

Inicialmente instalamos no Hospital Santa Catarina e depois de um tempo em produção, o corporativo da rede decidiu que nosso produto deverá ser padrão em todos os 16 Hospitais. Gradativamente estamos implantando um a um.

tranformacaosantacatarinaUm fato relevante foi que a partir da primeira instalação, todas as outras foram acontecendo em conjunto do projeto Transformação, e o Voice é implantado junto com o Soul MV.

“Quando a gente começa a se apoiar em tecnologia, os saltos passam a ser exponenciais e a gente não está acostumado com isso na Saúde”,

comenta Vinícius Oliveira,

diretor corporativo de Operações da Associação Congregação de Santa Catarina

Nosso Gerenciamento de leitos é a ferramenta padrão que equipará todos os Hospitais da Congregação. E isso por proporcionar controles e gerenciamento dos processos de liberação de leito inexistentes nos Sistemas de Gestão Hospitalares.

 

Fontes:

FÓRUM – Hotelaria e Hospitalidade – Fehosp – 24 de Abril

Criando um Diferencial no Atendimento ao Paciente e Familiares: repensando o fluxo, recepção, segurança

topo_novo_1.pngOnde começa um atendimento hospitalar? Essa pergunta foi feita em uma pesquisa na década de 60 para um grupo de profissionais de hospital e teve respostas variadas dos enfermeiros e médicos, cada qual focando isoladamente o seu processo e o seu ambiente. Se fosse perguntado atualmente, certamente os olhares seriam outros.

A humanização do ambiente hospitalar coloca os valores de hospitalidade a nortear processos e métodos, e principalmente as atitudes dos profissionais afetos ao atendimento ao paciente, desde a chegada até a saída do hospital. Entender as sensações dos pacientes, dos seus familiares, e saber trabalhar com elas de maneira profissional, pode não só distinguir uma instituição das demais, como também fazer com que ela seja reconhecida pelos que por ela são atendidos, como uma instituição comprometida com os melhores e mais autênticos valores sociais.

Dentre os Fóruns do Congresso Anual da Fehosp, teremos um focado em Hotelaria e Hospitalidade (Fórum 8)

FÓRUM 8 – Hotelaria e Hospitalidade

Dia 24 – Quarta-Feira 9h às 9h40 -Criando um Diferencial no Atendimento ao Paciente e Familiares: repensando o fluxo, recepção, segurança

Dentre os palestrantes, Teremos

Inscrição

 

Neste Fórum, teremos abordagens tanto da melhor logística no fluxo do atendimento, quanto nas mais recomendáveis práticas de atenção aos pacientes e acompanhantes.

9h às 09h40 Criando um Diferencial no Atendimento ao Paciente e Familiares: repensando o fluxo, recepção, segurança e fidelização

9h40 às 10h20 Inclusão Digital na Hotelaria Hospitalar: dos serviços de apoio à operacionalização de leitos com gestão integrada nos processos de trabalho

10h20 às 11h Hotelaria: diferencial competitivo nas instituições de saúde – uma visão operacional, tática e estratégica

11h às 11h30 Coffee-Break

11h30 às 12h Case: Hospital Carlos Fernando Malzoni – Matão “Implantação do serviço de camareira e seus benefícios em um hospital filantrópico”

12 às 13h Debate 13h às 14h30 Almoço

14h30 às 15h15 Repensando o Serviço de Processamento de Roupas – SPR através de Processos que Otimizam, Reduzem Custos

15h15 às 18h Painel: Humanização – “ Um Olhar Humano no Outro Humano”

15h15 às 16h Gastronomia Hospitalar: agregando sabores e saberes para além da dietoterapia

16h às 16h30 Coffee-Break

16h30 às 17h Ambientação Hospitalar: uma estratégia para o acolhimento de pacientes, acompanhantes e profissionais da cadeia de cuidados – Arquitetura, Cromoterapia e Áreas de Lazer

17h às 17h30 O Valor do Entretenimento no Ambiente Hospitalar: Grupo Pazlhaçada – Matão SP 17h30 às 18h Debate

 

janaina reisJanaina Reis

Formada em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa e pós-graduada em logística hospitalar, promotora e coordenadora do evento Simpósio de Hotelaria Hospitalar da Zona da Mata Mineira (4°edição), consultora em hotelaria hospitalar e convencional tendo experiência de 8 anos como Coordenadora da Hotelaria Hospitalar em uma instituição acreditada internacionalmente.

 

 

Ingrid Schuch

Ingrid-SchuchConsultora e Especialista em apresentar diagnóstico e soluções para projetos de implantação da Hotelaria em Hospitais, com referência em Hospitais privados e Públicos de POA e SP. Atua como Docente na Faculdade Castelli – Canela, RS(na Graduação de Hotelaria e Hospitalidade).Coordenadora do Curso de Extensão de Hotelaria Hospitalar na Fundatec- POA, também atua como Docente na Universidade La Salle Business Scholl- Canoas, RS Curso de MBA Gestão em Saúde, na disciplina de Hotelaria e  Hospitalidade em Serviços de Saúde.

 

Programação completa do Congresso

Engajamento dos profissionais ajudam no giro de leitos

Nossa tecnologia está ajudando o Hospital Monte Sinai a engajar diversos profissionais no Giro de Leito. Desde Executivos, Médicos, Enfermeiros até a lavanderia…

O Hospital Monte Sinai (Juiz de Fora), já é usuário de nossa solução de gerenciamento de leitos há mais de 2 anos,

Após os primeiros ganhos operacionais que nosso sistema proporcionou, os profissionais de Hotelaria focaram em oportunidades que envolviam e engajavam outras áreas na melhoria do Giro do leito.

Segundo Saulo Moura, Supervisor de Hotelaria do Hospital, para poder ter este foco foi realizado a contratação de um profissional focado na melhoria dos processos. Com a chegada de Mila Vaccarini foi possível explorar as informações dos relatórios, visualizações e painéis on line.

milavaccariniJá estávamos com o trabalho do pessoal da Higiene e limpeza e camareiras com excelente desempenho, mas precisávamos evoluir em alguns gargalos que envolviam outros profissionais, e alguns destes nem sabiam o impacto que tinham no giro do leito.

Com o engajamento destes outros profissionais o trabalho da higiene e limpeza e camareiras teve uma maior exposição e um excelente resultado no Giro do leito.

Mila Vaccarini – Analista de Hotelaria

Assim as oportunidades e gargalos foram sendo explorados uma a uma.

saulomouraO segredo do sucesso é envolver todos os personagens que compõem o giro do leito…

médicos, enfermeiros, internação, camareiras e profissionais de higiene e limpeza…

Saulo Moura – Supervisor de Hotelaria

Os primeiros profissionais incluídos neste engajamento foram da Enfermagem. O enfermeiro no momento que retira o paciente, dentro do próprio quarto pega o telefone e registra saída real do paciente. Assim o leito já entra na fila da limpeza terminal e os enfermeiros ganham um tempo extra para poder realizar os registros no sistema hospitalar, no caso deles o Totvs.

O engajamento da enfermagem é um dos fatores de maior impacto. Eles visualizam os leitos em alta médica e tem como meta agilizar a saída dos pacientes. Isso deu um dinamismo na rotatividade e giro dos leitos.  Em todos os andares do Hospital há TVs com o painel do giro de leito.

Fica registrado e público para todos ! É público para todos os envolvidos desde a hora em que os Médicos já deram alta hospitalar e todos se enxergam no processo e em conhecem todas as fases.

img_20190206_122500

Os executivos do Hospital (Diretores e Gerentes) em suas salas, tem acompanhamento on line do giro de leito.

Na foto ao lado temos um exemplo de como estes executivos acompanham:

  • todo o andamento do giro de leito,
  • as limpezas terminais,
  • as limpezas concorrentes
  • e também do Dashboard de ocupação on line do Hospital.

Foi identificado que em alguns momentos, o gargalo no giro do leito era no momento da montagem do enxoval.

img_20190206_123239

As camareiras subiam com um carrinho abastecido com os kits e quando estes acabavam tinham que se deslocar até a lavanderia para abastecer de novos kits.

Por motivos de controle o Hospital não optou por ter estoques satélites ou intermediários e optou por colocar um monitor do fluxo do giro de leito dentro da lavanderia (foto ao lado).

Assim o próprio pessoal da lavanderia acompanha on line o trabalho das Camareiras e quando elas vão chegando no limite de abastecimento eles mesmos sobem com um novo carrinho abastecido. Esse engajamento eliminou tempo precioso no giro de leito e deu ao Hospital um ganho muito expressivo.

Abaixo segue algumas fotos da lavanderia e a tela de acompanhamento on line.

 

Os novos ganhos em números

Segundo Saulo, o trabalho da hotelaria está proporcionando reduções de custo e uma melhor eficiência.

Neste período o Hospital está em um processo de reforma e modernização das instalações. Antes do início das reformas, o Hospital estava com 160 apartamentos em operação, e eles não estavam conseguindo atender toda a demanda .

Após as ações de engajamento e aproveitamento das oportunidades, e com apenas 117 apartamentos operacionais, o Hospital está com uma eficiência muito maior. Mesmo com a redução dos leitos, foi mantido a média de cirurgias e o número total de internações aumentou (principalmente nas emergências).

A taxa de ocupação está entre 85 e 95% durante a semana com picos de 100% ao longo do dia

Saulo Moura – Supervisor de Hotelaria

Melhorias no Hospital não param !

Todo este trabalho foi realizado durante a entrega de novos recursos e instalações . Foi inaugurada a nova maternidade.

O Segundo e terceiro andares estão em reforma, estes somam 44 leitos e o ganho do giro de leito está garantindo ao Hospital a mesma capacidade de atendimento.

Sobre o Hospital:

logoprincipalmontesinai

Referência para 150 municípios inclusive de outros estados, hoje, o Monte Sinai é um hospital moderno. Conceito máximo em estrutura física. Pioneiro em recursos avançados na área de diagnóstico e procedimentos médico-hospitalares.

A estrutura arquitetônica tem características marcantes. As áreas destinadas aos serviços de assistência à saúde e de apoio diagnóstico e terapia, atendem totalmente às normas técnicas para projetos de estabelecimentos de saúde. O prédio que abriga o setor de internação, dispõe de área de circulação exclusiva para visitantes, interligando todos os andares. Além de conforto aos visitantes, o modelo mantém privacidade para o trabalho de médicos e funcionários, que circulam por área de serviço exclusiva, minimizando riscos de infecção e agilizando o atendimento.

São 300 leitos, entre apartamentos, suítes e alojamentos conjuntos para atendimento a planos de enfermaria individualizados. Unidades de Terapia Intensiva Adulto e NeoNatal e Unidade Coronariana somando 53 leitos, o Hospital ainda conta com Emergência, com plantão nas especialidades de Clínica Médica, Ortopedia/Traumatologia, Pediatria e Cardiologia.

ACESSOS AO HOSPITAL

Pacientes e visitantes do atendimento eletivo passaram a ter acesso ao Hospital Monte Sinai pelo Lobby da portaria localizada na Avenida Presidente Itamar Franco (antiga Av. Independência).

O Lobby comporta o Sinai Conforto, o setor de admissão e check out. Uma cafeteria também compõe o espaço.

Quer saber mais do Hospital ? Veja o vídeo institucional deles:

Fontes:

Uso de QRcode no leito Hospitalar

Os ganhos operacionais já seriam argumento suficiente para a adoção de métodos automatizados que usem a facilidade de leitura de QRCode. Inicialmente somente o tempo ganho na economia de digitação de dados já poderia dar retorno em diversos processos.

Com o uso do QRcode combinado com aplicativos temos:

  • diminuição de erros devido a digitação ou mesmos seleções manuais,
  • ganho de tempo, eliminando etapas de identificação,
  • garantia de execução do registro o lugar e momento correto,
  • quem realizou a ação (pelo aplicativo),

Já escrevemos aqui um post sobre como nossa solução de Checklist Hospitalar Automatizado pode explorar bem esta facilidade de leitura de QRcode.

Com estes dados coletados via leitura de QRcode, é possível identificar o lugar, o momento e fazer checagens ou atualizar status de em sistemas on line.

O QR Code também pode armazenar informações como:

  • Textos (Docs., PDFs e outros)
  • Imagens (PNGs, JPEGs, GIFs e outros)
  • Vídeos (Youtube e outros servidores)
  • Redes Sociais (perfil Línkedln, Facebook, Twitter, Instagram, etc.)
  • Links para websites e app stores
  • SMS e e-mails
  • Mapas

E isso pode ser combinado com processos e controles on line.

leitura do qrcode

Por exemplo, em nossa Solução a pessoa que aplicar o Checklist, não precisará abrir manualmente o número do quarto ou leito, e apenas aponta para o QRcode que tiver impresso no local.

Com este procedimento o ganho de confiabilidade dos registros aumentam muito, pois as informações são registradas no local e no momento da vistoria.

Ainda sobre nossa solução de  Checklist Hospitalar via tablet ou Smartphone,

banner checklist

Veja também o depoimento de um cliente, na palestra de Thaísa Scheffer no Hospital Monte Sinai que aconteceu na III Fórum de Hotelaria Hospitalar do Vale do Paraíba.

Outra facilidade de nosso Checklist é a possibilidade do gerenciamento de lacres de leito.

Sobre QRcode

Código QR (sigla do inglês Quick Response) é um código de barras bidimensional que pode ser facilmente escaneado usando a maioria dos telefones celulares equipados com câmera. Esse código é convertido em texto (interativo), um endereço URI, um número de telefone, uma localização georreferenciada, um e-mail, um contato ou um SMS.

Inicialmente empregado para catalogar peças na produção de veículos, hoje o QR Code é usado no gerenciamento de inventário e controle de estoque em indústrias e comércio. Desde 2003, foram desenvolvidas aplicações que ajudam usuários a inserir dados em telefone celular (telefone móvel) usando a câmera do aparelho. Os códigos QR são comuns também em revistas e propagandas, para registrar endereços e URLs, bem como informações pessoais detalhadas. Em cartões de visita, por exemplo, o código QR facilita muito a inserção desses dados em agendas de telefones celulares. Programas de captura ou PCs com interface RS-232C podem usar um escâner para capturar as imagens.

Hotelaria Hospitalar e Facilities: o diferencial no setor de saúde

Reproduzimos aqui neste post trechos da palestra do Professor Marcelo Boeger na última feira Hospitalar. O texto é do Professor e o link original se encontra nas fontes.

Marcelo Boeger, Presidente da Sociedade Latino-Americana de Hotelaria Hospitalar (SLAHH) e consultor da Hospitalidade Consultoria 

boeger_hotelaria_hospitalarMelhoria de desempenho da equipe, redução de custos, prestação de serviço de primeira…

A otimização de resultados por meio de pessoas e processos é o sonho de consumo de todo e qualquer gestor, independentemente do tamanho e do ramo do negócio.

Sempre há ajustes que podem e devem ser feitos para fomentar a produtividade e a rentabilidade.

Inclusive de instituições particulares e públicas da área da saúde, como hospitais, prontos-socorros, clínicas etc., que passam por problemas sérios de “saúde financeira, reflexos da conjuntura econômica e crise política que assola o País.

A gestão das áreas de hotelaria e facilities a cada ano vem se aprimorando e agrega tecnologia, ciência, conforto e segurança na hospitalidade, oferecendo qualidade, valor e satisfação para o cliente. Este segmento tem a função de contribuir no aprimoramento do sistema hospitalar, que deve ser o resultado de processos, trabalho e valores.

Desde 1999, ano em que passei a atuar no setor de hotelaria e facilities, a reclamação mais recorrente do paciente refere-se à demora no atendimento e também à falta de leito, que muitas vezes é liberado com muita lentidão. Essas falhas geralmente são frutos de uma inércia operacional e administrativa que envolvem pessoas sem metas claras, rotinas de serviços em desarmonia, ambientes e fluxos de pacientes mal resolvidos. Resultado: todos saem perdendo: o cliente final, os colaboradores, os médicos e o hospital.

facilities_innovationDo piso, passando pelas paredes e pelo mobiliário com dificuldade de higienização e secagem, até o horário em que são servidas as refeições, a maior parte da rotina de hotelaria interfere no “giro do leito”, isto é, quantas vezes o mesmo leito gira em um período, que é diretamente afetado pelo Tempo Médio de Permanência e pelo tempo entre a saída do paciente e a ocupação do mesmo leito por novo paciente. Alguns hospitais já conseguem reduzir esse tempo – o que reflete positivamente o faturamento no final do mês – conscientizando que todos os envolvidos fazem parte de um mesmo mecanismo: quando um trava, todo o time para, pois é uma meta compartilhada que deve envolver toda a equipe, fechando o elo.

Aproveitando o uso do leito com inteligência de processos

Essa corrida contra o relógio vem ocorrendo principalmente nos últimos anos, quando as instituições de saúde perceberam que, quando a área de hotelaria e facilities atua de forma estratégica em diferentes níveis de serviço – da diretoria ao operacional, passando pela gerência e coordenação –, tudo flui de maneira mais rápida e eficiente, reduzindo o tempo de permanência no ambiente da saúde e, ao mesmo tempo, otimizando monetariamente todo o processo.

Os hospitais são instituições complexas de serem administradas e a despeito de seus esforços, carecem de uma estrutura física e humana menos traumática ao paciente, podendo tornar a hospitalidade como um agente fomentador de calor humano, acolhimento, em contraste com a frieza do ambiente hospitalar. É possível evitar, por exemplo, que pacientes clinicamente aptos para ter alta fiquem internados por burocracias ou má gestão das tarefas clínicas. Também se pode escolher o tipo de cirurgia que será feita em determinados horários e dias da semana visando à disponibilidade de leitos.

Tudo pode ser mais bem gerenciado observando-se atentamente o próprio fluxo do hospital para estabelecer novas rotinas que favoreçam a realização de todos os serviços – da troca de uma lâmpada à compra de lençóis, passando pela escala de cirurgias. Com os reais números de quanto custa cada setor do hospital na mão, é possível realizar estudos para propor a escala de folga dos funcionários, o momento adequado para fazer a manutenção de um quarto, participação nos resultados para aqueles que atendem essas metas, entre outras benfeitorias.

Quando toda a engrenagem funciona bem, o paciente, mesmo não percebendo todos os pormenores, “registra” que viveu uma experiência positiva, em que “tudo ocorreu bem”, pois se sentiu seguro e confortável diante do atendimento prestado – sobretudo pelas pessoas que o acompanharam durante a estadia – com competência e agilidade. E isso já é mais do que suficiente para fidelizá-lo e gerar um desfecho positivo ao mesmo.

Portanto, a hotelaria hospitalar é um conjunto de processos, serviços e procedimentos, desde a arquitetura, instalações, equipamentos até os recursos humanos.

 Projeto arquitetônico a favor da fluidez na rotina hospitalar

Um bom projeto de arquitetura hospitalar é meio caminho andado para garantir que a logística de hotelaria e facilities funcione bem. Vai muito além da escolha de revestimentos, móveis e adornos. Começa com a criação de espaços, áreas de circulação e fluxos que sirvam de apoio no dia a dia clínico.

O depósito de material de limpeza, a copa, o expurgo, a rouparia, o abrigo de resíduos temporário, por exemplo, tem de estar estrategicamente alocado para não só atender normas e legislação, mas também para reduzir fluxos desnecessários, reduzir o uso de elevadores, gerenciar o fluxo de pacientes, seus acompanhantes, colaboradores e médicos.

Esse raciocínio vale para decidir onde manter um local para guardar o enxoval ou ainda montar uma miniestrutura na copa para abastecimento de utensílios e alimentos. Todos esses cuidados otimizam sobretudo o desempenho de todos os profissionais hoteleiros, que se sentem mais produtivos, porque conseguem concretizar as tarefas com mais assertividade – o retrabalho é sempre desmotivador e caro.

Uma arquitetura hospitalar, em harmonia com a área de facilities, entrega soluções mensuráveis, em médio e longo prazo, que refletem em todo e qualquer custo da operação diária de um hospital.

Apartamento na Feira Hospitalar:

vitrine de todo o processo de um hospital

Recentemente, em parceria com a acr arquitetura, a Grau Engenharia e a Senzi Lighting, participei da 25ª edição da Hospitalar apresentando um apartamento de internação, que foi usado para demonstrar algumas dinâmicas relacionadas a facilities. Atores simularam situações cotidianas de um hospital que puderam ser acompanhadas pelos visitantes em uma arquibancada estrategicamente locada.

O projeto agregou o que há de mais moderno em design, conforto e tendências, inclusive tecnológicas, como na área de iluminação e na plataforma de comunicação. Teve aspectos realistas e outros conceituais, além de apresentar inovações em revestimentos. Na ocasião, fiz palestras sobre produtos que reduzem custos e melhoram a eficiência e a segurança do paciente em hospitais, clínicas e laboratórios.

Por meio desse estande, mostrou-se que o apartamento de internação é uma pequena e importante parte de um universo muito grande, uma vitrine que reflete se os processos internos de um hospital estão ou não funcionando de forma eficaz e produtiva em todos os setores.

Demonstrações realistas

As demonstrações aconteceram no Quarto Hospitalar Modelo.

“Projetamos um quarto hospitalar com o objetivo de ser o mais humanizado possível. O espaço é bem conceitual, o que possibilita que o público veja com clareza o que será demonstrado dentro dele, mas também é um local onde se pode observar diversas tendências em tecnologias, design, novos materiais e mobiliário, por exemplo”,

explicou Antônio Carlos Rodrigues,

arquiteto titular da ACR Arquitetura, escritório especializado em saúde.

 

Fontes:

em 10 de Novembro de 2018

Marcelo Boeger, 

Presidente da Sociedade Latino-Americana de Hotelaria Hospitalar (SLAHH) e consultor da Hospitalidade Consultoria 

 

Como foi o III Fórum de Hotelaria Hospitalar do Norte e Nordeste Hospitalmed 2018

Aconteceu em Recife (Pernambuco) o III Forum de Hotelaria Hospitalar do Norte e Nordeste do Brasil dentro da Feira HospitalMed, foi um sucesso contando com mais de 150 pessoas.

Na palestra de Inovações na Liberação de Leitos o Engenheiro Luiz Roberto (Beto) discursou por 30 minutos e detalhou as melhores práticas na liberação e giro de leito hospitalar. Em sua palestra, o Beto, falou desde as novas tecnologias como Robôs, Internet das Coisas, mas também como a melhor tecnologia (em sua visão) para girar um leito. Assista na íntegra a palestra abaixo:

O evento contou com grandes nomes da Hotelaria Hospitalar do Brasil, veja abaixo a programação completa do evento

 

p_20181003_144219.jpgMarcelo Boeger deu as boas vindas e explicou um pouco da evolução da Hotelaria Hospitalar no Brasil, destacou que em meados do ano 2000 poucas pessoas sabiam o que era Hotelaria Hospitalar, que não havia um cargo de gerência, que não tinham uma sala e que a Hotelaria não tinha voz, no entanto, passados 18 anos a Hotelaria se tornou uma grande área dentro da instituição e que agora participa da estratégia do Hospital.

P_20181003_144747

Na sequência Lauro Miquelin – CEO da L+M, destacou as inovações na Hotelaria Hospitalar, comentou das mudanças recentes na composição dos Hospitais como por exemplo grandes grupos Hospitalares, diferentes formas de contratação como por exemplo, produtos comprados como serviços etc.

 

 

A palestra do Eng. Marcelo Tilio diretor da Evolutix foi baseada em Hospital Inteligente e apresentou uma ferramenta de automação do quarto voltado para o paciente, como por exemplo, controlar a TV, a cortina, o ar condicionado e chamar o time de enfermagem por um tablet.

Após as palestras iniciais, ocorreram 2 debates, o primeiro foi discutido a sustentabilidade e apresentando o case de sucesso de economia de água do Hospital Unimed Fortaleza pelo Sr. Huelington Rocha Sampaio e moderado pelo CEO da W-Energy Sr. Wagner Carvalho.

O segundo debate foi moderado pelo Eng. Mauricio Almendro Diretor do Grupo Verzani&Sandrini e apresentado o case de controle de acesso do Patrimônio de 2 grandes Hospitais, Unimed Americana e Unimed Recife.

Já a ultima palestra do dia foi conduzida pela Coordenadora de Operações do Hospital HCOR de SP a Sra. Katia de Assis. Sua fala foi baseada na Inovação e Redução de custos na Higiene Hospitalar. Katia demonstrou a aplicação de máquinas em substituição as limpezas convencionais e se mostrou super eficiente em alguns setores como por exemplo, nas áreas comuns. Um grande benefício destacado pela coordenadora é que a máquina carrega sua própria água e depois de lavar já seca, não sendo necessário balde e depois rodo para enxugar. Além de veloz a máquina trás o benefício ergonômico e econômico para a instituição, abaixo segue detalhe da máquina utilizada no Hospital HCOR.

hcor

Abaixo seguem algumas fotos do evento:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

Gestão de leitos – Unimed Petrópolis

Nosso Blog dá espaço para a divulgação de conhecimento, principalmente quando se trata da área de atuação de nossos clientes.

Caso você queira aproveitar nosso espaço, entre em contato aqui mesmo, comentando este post …

flavia_favero-e1529969384753.jpgNeste Post publicamos a palestra de Flávia Fávero :

  • Responsável pela Hotelaria Hospitalar da Unimed Petrópolis-RJ
  • Presidente da Sociedade de Hotelaria do Estado do Rio de Janeiro

que palestrou com o tema:

GESTÃO DE LEITOS – COMO EU FAÇO?

unimedpetropolisInicialmente, Flávia apresentou o Hospital.

Citou a missão do Hospital:

Prestar assistência em saúde com humanização, qualidade, segurança e efetividade aos clientes.

Na sequência mostrou o Hospital em números:

  • 504 funcionários e mais 193 de empresas parceiras;
  • 87 leitos, (67 internações gerais, 20 em UTI’s ),
  • 5 salas cirúrgicas;
  • Taxa de ocupação de 83%;
  • média de permanência de 5,45 dias;
  • Realizamos em média por mês em 2018:  5223 atendimentos no pronto atendimento;
  • 406 internações;
  • 354 cirurgias.

Para entrar no assunto de Gestão de leitos , Flávia citou 3 definições que para ela são importantíssima:

” É a utilização dos leitos disponíveis em sua capacidade máxima dentro dos critérios técnicos definidos pela instituição, visando a diminuição da espera para internação, transferências externas e satisfação de nossos clientes pacientes e clientes médicos. “

Alexandra Reis – Gerente Operacional da AACD
Vice Presidente da Sociedade Brasileira de Hotelaria Hospitalar

Citou também Boeger:

“O giro de leitos, seria mais eficiente se as altas fossem dadas antes das 10 horas.

Os equipamentos da assistência fossem retirados do quarto de imediato, para iniciar a terminal e os utensílios existentes no quarto fossem rapidamente consertados.”

Marcelo Boeger Presidente da Sociedade Latino Americana de Hotelaria Hospitalar

Sócio Diretor da Hospitalidade Consultoria para Meios de Hospedagem.

Coordenador e Professor da Pós Hotelaria Hospitalar do Einstein

E por último, apresentou a definição de seu profissional de linha de frente, um plantonista que em sua simplicidade descreveu bem a questão:

“ Se o médico der alta cedo e o paciente for embora, liberamos a nossa parte o mais rápido possível, para higiene limpar e em seguida a rouparia arrumar…assim o leito é liberado para o próximo paciente.”

Celso Gonçalves – Plantonista do setor de
manutenção do Hospital Unimed

Na sequencia , Flávia expôs todas as áreas e atividades ligadas diretamente na Gestão de leitos, e fez um breve relato de cada uma:

  • Nutrição,
  • Estacionamento,
  • Controle de pragas,
  • portaria,
  • Higienização e resíduos
  • Governança,
  • Lavanderia,
  • Recepção,
  • Manutenção…

Ainda nesta descrição, salientou que para o bem estar e segurança do paciente, o processo de gestão de leitos tem que estar bem integrado com os seguintes profissionais diferentes no Hospital:

  • Nutrição,
  • Administração,
  • Serviço de Higienização,
  • Governança,
  • Lavanderia,
  • Manutenção,
  • Enfermagem,
  • Equipe médica,
  • Recepção,

Depois falou um pouco sobre o processo em si:

Processo de gestão de leitos

fluxoliberacao

Flávia, também mostrou o fluxo de liberação da Unidade de internação.ou

 

Baseado na figura ao lado, demonstrou a sequencia de atividades deste fluxo.

Que se inicia na recepção, que aciona Higiene, que antes de liberar realiza um checklist.

Sendo:

Checklist ok: Leito liberado

Checklist não ok: encaminha para providencias (Higiene ou Estrutura).

Anomalia resolvida: volta ao checklist .

Não resolvida: segue interdição do leito.

Flávia então entrou em detalhes de suas atividades na busca da melhoria continua em sua gestão de leitos.  Detalhou as ações, atividades e conquistas, explicando ponto a ponto a lista a seguir:

  • Ênfase no foco no cliente e maior envolvimento da alta direção
  • Ter Política de Gestão de Leitos
  • Ter Procedimentos descritos e estruturados
  • Informação confiável
  • Melhorar a interação e a comunicação das equipes
  • Ponto de partida em 2013…
  • Início do stand up final de 2014
  • Nova rodada de melhorias nos processos em 2015
  • Janeiro de 2016 – ONA I
  • Melhor apuração dos dados e ações de melhorias
  • Recertificação do Selo ONA I – 2017
  • Início da criação da Comissão de Gestão de Leitos – 2018
  • Medir, avaliar, discutir dados, indicadores e ações.

Flávia ainda detalhou o que cada área colaborou para o processo de Gestão de leitos:

Enfermagem:

  • Maior Envolvimento da equipe de enfermagem
  • Boletim três vezes em 24 horas do Pronto Atendimento
  • Boletim diário dos setores fechados
  • Definição de leitos / distribuição de Pacientes junto a equipe da internação
  • Envolvimento nos fluxos e criação de novos processos
  • Planos de ação para melhoria contínua
  • Plano de alta
  • Comunicação / orientação aos pacientes e familiares
  • Gerenciamento de leitos de pacientes de longa permanência – Interface com SCIH

Manutenção:

  • Envolvimento quanto a liberação das acomodações
  • Realização do Checklist de inspeção estrutural
  • Mensurar os subtempos referentes a manutenção imediata
  • Mensurar o subtempo referente a interdição da acomodação

Recepção:

  • Definição de prioridades
  • Cancelamento/Liberação do Mapa Cirúrgico
  • Protocolo de agendamento de cirurgias
  • Boletim duas vezes em 24h informando os leitos disponíveis
  • Treinamento
  • Procedimentos
  • Interação com o SCIH – Avaliando os Pacientes em Precaução
  • Equipe Pró ativa

Rouparia:

Mensageiro / Auxiliar de Hotelaria

  • Condução do cliente ao leito “Check in”, ao centro cirúrgico. Sinalização do cliente na SU e apoio a esse paciente.
  • “Check out”
  • Condução de acompanhantes após alta de setores fechados.
  • Verificação diária das altas e previsões, alinhada a recepção, higienização e manutenção.

Camareira

  • Envolvimento com a equipe de higiene.
  • Maior interface com clientes internos e externo.
  • Retorno ao mensageiro.

Higienização:

  • Equipe orientada e pró ativa em relação a gestão de leitos.
  • Mudança no fluxo de liberação da UI.
  • Remanejamento da equipe de apoio para terminais.
  • Indicadores – Com análise crítica e planos de ação definidos.
  • Auxílio do papel – Lançamento dos dados em Excel e a geração desses dados.
  • Melhoria na comunicação

Cafés literários:

Como uma das atividades de engajamento, Flávia citou eventos internos com seus colaboradores, onde eles eram convidados para um café onde trocavam idéias de melhorias e coletava oportunidades a serem exploradas: A seguir fotos dos últimos cafés literários (2017/18):

Considerações finais da palestra:

A gestão adequada de leitos é um processo crítico para a garantia da sustentabilidade de qualquer Instituição hospitalar.

O desconhecimento do perfil assistencial/epidemiológico da Instituição, o pouco giro de leitos, o tempo médio de permanência alto, a super ocupação e consequente falta de leitos são problemas ainda muito comuns na maioria dos hospitais, trazendo como consequência o aumento do risco assistencial, a insatisfação dos clientes, sobrecarga e estresse para os funcionários e a perda financeira quando um leito fica parado.

O Gerenciamento de leitos é um processo complexo, e de responsabilidade multidisciplinar (Hotelaria, Administração, Médico, Enfermagem, Nutrição, etc).

e por final mostrou o,

resultado de uma pesquisa de satisfação:

recomendacaounimed

Flávia disponibilizou  para download a apresentação na integra a qual utilizou.

Contém além das informações do post, os resultados conquistados.