Segurança do paciente na Gestão Hospitalar foi o tema do VII Encad de Saúde do CRA-RJ

O VII Encontro de Administração em Saúde do CRA-RJ abordou o tema

“A contribuição da Administração na área de saúde para os processos de Segurança do Paciente”.

Organizado pela Comissão Especial de Administração de Serviços em Saúde do Conselho, o evento contou com a participação das Administradoras Maria de Fatima Ribeiro dos Santos, coordenadora da comissão, Rita de Cassia Garcia, coordenadora adjunta, e do Prof. Leonardo Justin Carap.

O assunto central foi dividido em quatro palestras:

“A Segurança do paciente e os aspectos relevantes para a assistência segura e a garantia da qualidade no cuidado”,

com Bárbara do Nascimento Caldas, do Instituto Nacional de Cardiologia;

“A gestão do ambiente e dos processos de hotelaria hospitalar na segurança do paciente”, com a Adm. Flavia Fávero, presidente da Sociedade de Hotelaria Hospitalar do Estado do Rio de Janeiro;

“A importância do Plano de Segurança do Paciente”, abordado pela Adm. Rosilene Aparecida dos Santos, do Hospital Federal de Ipanema;  e

“O papel do gestor para a garantia do sucesso do Plano de Segurança do paciente”, trabalhado por Victor Grabois, presidente da Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente.

Depois das apresentações, os palestrantes participaram de uma mesa redonda, onde responderam perguntas do público presente sobre os assuntos abordados. Sobretudo, o evento deixou clara a necessidade de se inserir o Profissional da Administração na Gestão Hospitalar para que os serviços prestados se tornem mais eficientes, tanto para as unidades de saúde, quanto para os pacientes/clientes.

O Encontro teve transmissão ao vivo e em breve estará disponível na CRA-RJ Play e na Rádio ADM RJ.

Confira algumas das declarações feitas durante as explanações de cada assunto.

Antes que ocorra um incidente, a gente tem a circunstância notificável […]. Por exemplo, você vai olhar um carrinho, faz alguma conferência nele e vê que a roda está quebrada ou que o ambu [reanimador] não está funcionando. Naquele momento, não aconteceu nada, mas e se estivesse acontecido uma parada [cardíaca], você teria um problema com aquele equipamento. Essas circunstâncias também podem disparar processos de melhorias, para ajustarmos os nossos sistemas de barreiras”, Bárbara do Nascimento Caldas.

 

 

Uma outra área importantíssima na Hotelaria Hospitalar é a questão da higiene. […] Na higiene hospitalar, precisa haver um procedimento operacional padrão, rotina, cronograma, treinamento? Sim. Mas de que adianta ter processo, rotina definida e não ter acompanhamento? O profissional de higiene precisa ser acompanhado. Ele está treinado, mas, na ponta, será que ele consegue aplicar a técnica na limpeza terminal? A gente precisa ter alguém para monitorar essa atividade”, Adm. Flavia Fávero.

 

“A perspectiva do olhar do Administrador é muito em função da nossa formação. Então, dentro da atividade do profissional da Administração, a gente está sempre preocupada com planejamento, definição de objetivos, metas, etapas, ações; nós nos preocupamos com organização de processos, materiais, meios, instrumentos. Temos um olhar sempre voltado para resultados que tenham um nível de qualidade aceitável e que sobretudo maximize a satisfação de pacientes, profissionais de saúde e da própria instituição”, Adm. Rosilene Aparecida dos Santos.

 

 

“Eu acredito muito na profissionalização da Gestão Hospitalar. E crer nisso, para mim, tem uma decorrência muito prática, que é um nível de valorização e investimento na figura do Administrador em Saúde muito superior ao que a gente possui hoje. Eu acho que o Profissional da Administração tem um papel verdadeiramente estratégico, do ponto de vista do funcionamento das instituições de saúde e tem conhecimentos que os outros profissionais não têm, e que fazem falta nesse amadorismo reinante”, Victor Grabois.

Evento organizado pelo:

Fonte:

https://www.cra-rj.adm.br/seguranca-do-paciente-na-gestao-hospitalar-e-tema-do-vii-encad-de-saude-do-cra-rj/ em 30 de Novembro de 2018

 

Jornada de Hotelaria Hospitalar 2018 – Into

Experiências Exitosas e Melhoria da Qualidade em Hotelaria Hospitalar

  • Cidade: Rio de Janeiro
  • Local: Auditório do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia – Av. Brasil Nº 500 
  • Data: 7 de Dezembro de 2018 –   
  • Horário:8 horas 30 minutos às 13 horas

O evento é realizado pela SHHERJ (Sociedade de Hotelaria Hospitalar do Estado do Rio de Janeiro) e em parceria com o INTO.

Será abordado temas relacionados ao envolvimento de pessoas atendendo pessoas, hospitalidade, humanização, comprometimento das equipes da Hotelaria Hospitalar nos fluxos nos processos.

Valor da inscrição: Colaboração de item de Higiene Pessoal, que será doado para o Projeto – Saúde Criança em Petrópolis (RJ)

Inscrição: https://doity.com.br/jornada-de-hotelaria-hospitalar

Vagas limitadas!

Programação: 

8:30h CAFÉ DE BOAS VINDAS E CREDENCIAMENTO   

9:00h Mesa de Abertura

Alexandra Reis Melo – Gerente de Administração e Infraestrutura AACD
Bianca Farizote – Gerente de Hotelaria do INTO
Leila Pena – Vice presidente da Sociedade de Hotelaria Hospitalar do Estado do Rio de Janeiro

 

9:25h PLANETREE E AS AÇÕES COM FOCO NA EXPERIÊNCIA DO CLIENTE 

Palestrante: Alexandra Reis Melo – AACD  

ivonetemelo10:00h

PROJETO “CASAMINHA” 

Palestrante: Ivonete Mello – Casaminha  

 

10 horas e 30 minutos

sandraMELHORES PRÁTICAS NA INTERFACE CCIH X SERVIÇO DE HIGIENE 

Palestrante: Sandra Terumi – Brasanitas  

11 horas e 5 minutos

BRUNCH E VISITA AOS STANDS  

ivan palestra

12:00h

INOVANDO NA HOTELARIA HOSPITALAR COM O USO DE ROBÔS E NOVOS PROCESSOS LOGÍSTICOS 

Palestrante: Ivan Franco Ferreira

Voice Technology  

12 horas e 25 minutos

FB_IMG_1542934298433LOGÍSTICA REVERSA DOS RESÍDUOS – QUAL A DIFERENÇA ENTRE “LIXO” E RESÍDUO? 

Palestrante: Matheus Bonfim – UNIFESO  

13:30h Encerramento   

Hotelaria Hospitalar e Facilities: o diferencial no setor de saúde

Reproduzimos aqui neste post trechos da palestra do Professor Marcelo Boeger na última feira Hospitalar. O texto é do Professor e o link original se encontra nas fontes.

Marcelo Boeger, Presidente da Sociedade Latino-Americana de Hotelaria Hospitalar (SLAHH) e consultor da Hospitalidade Consultoria 

boeger_hotelaria_hospitalarMelhoria de desempenho da equipe, redução de custos, prestação de serviço de primeira…

A otimização de resultados por meio de pessoas e processos é o sonho de consumo de todo e qualquer gestor, independentemente do tamanho e do ramo do negócio.

Sempre há ajustes que podem e devem ser feitos para fomentar a produtividade e a rentabilidade.

Inclusive de instituições particulares e públicas da área da saúde, como hospitais, prontos-socorros, clínicas etc., que passam por problemas sérios de “saúde financeira, reflexos da conjuntura econômica e crise política que assola o País.

A gestão das áreas de hotelaria e facilities a cada ano vem se aprimorando e agrega tecnologia, ciência, conforto e segurança na hospitalidade, oferecendo qualidade, valor e satisfação para o cliente. Este segmento tem a função de contribuir no aprimoramento do sistema hospitalar, que deve ser o resultado de processos, trabalho e valores.

Desde 1999, ano em que passei a atuar no setor de hotelaria e facilities, a reclamação mais recorrente do paciente refere-se à demora no atendimento e também à falta de leito, que muitas vezes é liberado com muita lentidão. Essas falhas geralmente são frutos de uma inércia operacional e administrativa que envolvem pessoas sem metas claras, rotinas de serviços em desarmonia, ambientes e fluxos de pacientes mal resolvidos. Resultado: todos saem perdendo: o cliente final, os colaboradores, os médicos e o hospital.

facilities_innovationDo piso, passando pelas paredes e pelo mobiliário com dificuldade de higienização e secagem, até o horário em que são servidas as refeições, a maior parte da rotina de hotelaria interfere no “giro do leito”, isto é, quantas vezes o mesmo leito gira em um período, que é diretamente afetado pelo Tempo Médio de Permanência e pelo tempo entre a saída do paciente e a ocupação do mesmo leito por novo paciente. Alguns hospitais já conseguem reduzir esse tempo – o que reflete positivamente o faturamento no final do mês – conscientizando que todos os envolvidos fazem parte de um mesmo mecanismo: quando um trava, todo o time para, pois é uma meta compartilhada que deve envolver toda a equipe, fechando o elo.

Aproveitando o uso do leito com inteligência de processos

Essa corrida contra o relógio vem ocorrendo principalmente nos últimos anos, quando as instituições de saúde perceberam que, quando a área de hotelaria e facilities atua de forma estratégica em diferentes níveis de serviço – da diretoria ao operacional, passando pela gerência e coordenação –, tudo flui de maneira mais rápida e eficiente, reduzindo o tempo de permanência no ambiente da saúde e, ao mesmo tempo, otimizando monetariamente todo o processo.

Os hospitais são instituições complexas de serem administradas e a despeito de seus esforços, carecem de uma estrutura física e humana menos traumática ao paciente, podendo tornar a hospitalidade como um agente fomentador de calor humano, acolhimento, em contraste com a frieza do ambiente hospitalar. É possível evitar, por exemplo, que pacientes clinicamente aptos para ter alta fiquem internados por burocracias ou má gestão das tarefas clínicas. Também se pode escolher o tipo de cirurgia que será feita em determinados horários e dias da semana visando à disponibilidade de leitos.

Tudo pode ser mais bem gerenciado observando-se atentamente o próprio fluxo do hospital para estabelecer novas rotinas que favoreçam a realização de todos os serviços – da troca de uma lâmpada à compra de lençóis, passando pela escala de cirurgias. Com os reais números de quanto custa cada setor do hospital na mão, é possível realizar estudos para propor a escala de folga dos funcionários, o momento adequado para fazer a manutenção de um quarto, participação nos resultados para aqueles que atendem essas metas, entre outras benfeitorias.

Quando toda a engrenagem funciona bem, o paciente, mesmo não percebendo todos os pormenores, “registra” que viveu uma experiência positiva, em que “tudo ocorreu bem”, pois se sentiu seguro e confortável diante do atendimento prestado – sobretudo pelas pessoas que o acompanharam durante a estadia – com competência e agilidade. E isso já é mais do que suficiente para fidelizá-lo e gerar um desfecho positivo ao mesmo.

Portanto, a hotelaria hospitalar é um conjunto de processos, serviços e procedimentos, desde a arquitetura, instalações, equipamentos até os recursos humanos.

 Projeto arquitetônico a favor da fluidez na rotina hospitalar

Um bom projeto de arquitetura hospitalar é meio caminho andado para garantir que a logística de hotelaria e facilities funcione bem. Vai muito além da escolha de revestimentos, móveis e adornos. Começa com a criação de espaços, áreas de circulação e fluxos que sirvam de apoio no dia a dia clínico.

O depósito de material de limpeza, a copa, o expurgo, a rouparia, o abrigo de resíduos temporário, por exemplo, tem de estar estrategicamente alocado para não só atender normas e legislação, mas também para reduzir fluxos desnecessários, reduzir o uso de elevadores, gerenciar o fluxo de pacientes, seus acompanhantes, colaboradores e médicos.

Esse raciocínio vale para decidir onde manter um local para guardar o enxoval ou ainda montar uma miniestrutura na copa para abastecimento de utensílios e alimentos. Todos esses cuidados otimizam sobretudo o desempenho de todos os profissionais hoteleiros, que se sentem mais produtivos, porque conseguem concretizar as tarefas com mais assertividade – o retrabalho é sempre desmotivador e caro.

Uma arquitetura hospitalar, em harmonia com a área de facilities, entrega soluções mensuráveis, em médio e longo prazo, que refletem em todo e qualquer custo da operação diária de um hospital.

Apartamento na Feira Hospitalar:

vitrine de todo o processo de um hospital

Recentemente, em parceria com a acr arquitetura, a Grau Engenharia e a Senzi Lighting, participei da 25ª edição da Hospitalar apresentando um apartamento de internação, que foi usado para demonstrar algumas dinâmicas relacionadas a facilities. Atores simularam situações cotidianas de um hospital que puderam ser acompanhadas pelos visitantes em uma arquibancada estrategicamente locada.

O projeto agregou o que há de mais moderno em design, conforto e tendências, inclusive tecnológicas, como na área de iluminação e na plataforma de comunicação. Teve aspectos realistas e outros conceituais, além de apresentar inovações em revestimentos. Na ocasião, fiz palestras sobre produtos que reduzem custos e melhoram a eficiência e a segurança do paciente em hospitais, clínicas e laboratórios.

Por meio desse estande, mostrou-se que o apartamento de internação é uma pequena e importante parte de um universo muito grande, uma vitrine que reflete se os processos internos de um hospital estão ou não funcionando de forma eficaz e produtiva em todos os setores.

Demonstrações realistas

As demonstrações aconteceram no Quarto Hospitalar Modelo.

“Projetamos um quarto hospitalar com o objetivo de ser o mais humanizado possível. O espaço é bem conceitual, o que possibilita que o público veja com clareza o que será demonstrado dentro dele, mas também é um local onde se pode observar diversas tendências em tecnologias, design, novos materiais e mobiliário, por exemplo”,

explicou Antônio Carlos Rodrigues,

arquiteto titular da ACR Arquitetura, escritório especializado em saúde.

 

Fontes:

em 10 de Novembro de 2018

Marcelo Boeger, 

Presidente da Sociedade Latino-Americana de Hotelaria Hospitalar (SLAHH) e consultor da Hospitalidade Consultoria 

 

OPORTUNIDADE para… Estágio em Engenharia Elétrica

OPORTUNIDADE PARA… Estágio em Engenharia Elétrica

Como distribuidora de valor agregado a Velans Distribuidora atua no território nacional há 25 anos, provendo soluções de produtos para Telecomunicações e TI.

A Velans é nossa parceiro comercial e recomendamos a Vaga de Estágio aberta.

Sua estrutura comercial e técnica é qualificada e capacitada a prestar um atendimento diferenciado. Para isto, a empresa dispõe: Apoio de engenharia de pré e pós vendas, suporte técnico, portal na internet, E-commerce, treinamentos, amplo estoque de produtos e margens de comercialização diferenciadas. Estamos aumentando nossa Equipe! Conheça as condições e pré-requisitos.

Caso você tenha interesse encaminhe seu currículo para gdp@phonoway.com.br até dia 21/11/2018.

Requisitos:

  • Cursando Engenharia Elétrica;
  • Inglês avançado;
  • Domínio Excel e PowerPoint. Atividades:
  • Atuar no suporte de pré-vendas com videoconferência;
  • Integração de sistemas;
  • Instalação de software em servidor;
  • Atendimento a clientes;
  • Elaboração de propostas comerciais.

Horário de Trabalho:

• Segunda à sexta-feira 09:00 às 16:00hs

Benefícios:

  • Bolsa Auxílio: R$ 1.500,00
  • Benefícios: VT, VR, Seguro de Vida, Plano de Saúde e Odontológico.

Local de Trabalho: São Paulo – SP