IV Simpósio Estadual de Hotelaria e Controle de Infecção Hospitalar

logo teresopolisAcontecerá em Teresópolis (RJ) o IV Simpósio Estadual de Hotelaria e Controle de Infecção Hospitalar.

Será no dia 8 de novembro de 2019, na UNIFESO (TRIBUNAL DO JURI).

Inscrições

O evento terá a abertura com a participação de:

  • Marcelo Boeger,
  • Marcelo Carneiro,
  • Flávia Fávero e
  • Raquel C. Oliveira.

A primeira palestra será do Professor Marcelo Boeger

imagem_release_1700843boeger* Presidente da Sociedade Latino-americana de Hotelaria Hospitalar.
* Diretor da Sociedade Brasileira de Hotelaria Hospitalar.
* Coordenador e professor MBA em Hotelaria Hospitalar do Centro de        Educação em Saúde Abram Szajman do Hospital Albert Einstein.
* Mestre em Planejamento Ambiental pela Unibero.
* Mestre em Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi.
* Consultor na área de Hotelaria Hospitalar e Gerenciamento de Leitos para hospitais.

Presidente da Sociedade Latino Americana de Hotelaria Hospitalar e Sócio Diretor da Hospitallidade Consultoria para Meios de Hospedagem.

A palestra de Marcelo será com o seguinte tema:

Como usar a Tecnologia a nosso Favor?

20190521_123555Angela Rodrigues – Gerente no Grupo GPS

Enfermeira pela Universidade de São Paulo – USPMBA em Gestão Hospitalar e Serviços de Saúde pela FGV,

Especialista em Higiene Hospitalar de Serviços Próprios e Terceirizados.

Falará sobre como o segmento de terceirização traz novidades, tecnologias e apoio para o segmento hospitalar. Com objetivo de atender demandas não assistenciais e assim liberando os profissionais da área de saúde focados em suas atividades fins.

Falará  de como um terceiro trabalhar em parceria trazendo excelentes resultados no controle de infecção hospitalar.

O tema de sua palestra será:  

As Vantagens da Terceirização no Serviço de Higiene e sua Contribuição no Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

67456801_1976941332408099_1116362502465126400_nO Enfermeiro Emanoel Severo

Graduado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa – PR (UEPG). Especialização em Estomaterapia: Feridas, Estomias e Incontinências. MBA em Gestão em Saúde e Controle de Infecção (FAMESP – SP) Coordenador de Educação Permanente na Gerência de Qualidade do Hospital Santa Cruz (Curitiba – PR)

Responsável pela Campanha “Eu me Comprometo a Lavar Minhas Mãos”

Terá palestra com o seguinte tema:

Eu Me Comprometo a Lavar Minhas Mãos

waibOutro palestrante será o Dr Luís Fernando Waib: Médico Infectologista, Mestre pela Unicamp, Coordenador da Comissão de Infectologia Hospitalar da SBI, Membro da Comissão Nacional de Controle de IRAS (ANVISA), atua nas CCIHs dos Hospitais: Beneficência Portuguesa de Campinas e PUC Campinas.

Sua palestra terá o seguinte tema:

A Relevância do Ambiente na Era da Resistência Microbiana

allanergonALLAN KERN, será outro palestrante

  • Administrador de empresas.
  • Pós-graduado em engenharia de produção e especialista em qualidade e produtividade, sustentabilidade e responsabilidade social e gestão para excelência do desempenho e da competitividade.
  • sócio da Upgrading Serviços Especializados em Saúde, atuando como consultor, educador corporativo e palestrante sobre diversos temas relacionados à gestão da qualidade e segurança em Saúde.
  • Avaliador do Sistema Brasileiro de Acreditação (SBA/ONA). Autor de seis livros e de diversos artigos sobre qualidade, segurança e sustentabilidade.

Terá paletsra com o seguinte tema:

Ferramentas da Qualidade para Análise e Solução de Problemas no Âmbito da Hotelaria e Controle de Infecção

img-20191015-wa00038135118764043757758.jpgOutra palestra será do Dr Marcelo Carneiro:

professor de Infectologia e Microbiologia – UNISC. Professor do Programa Strictu Sensu em Promoção da Saúde – UNISC. Coordenador da CCIH – Hospital Santa Cruz. Coordenador da COREME e do Programa de Residência Médica Clínica Médica – Hospital Santa Cruz. Diretoria ABIH – 2019-2020. Líder do Grupo de Pesquisa Tecnologia, Ensino e Segurança do Paciente – UNISC. Consultor ANVISA do Stewardship Brasil.

A palestra de Carneiro terá o seguinte tema:

Acinetobacter: É possível erradicar

No evento haverá também uma mesa redonda, a qual será mediada pela Enfermeiras: MARIA HELENA PERACCINI e RAQUEL OLIVEIRA com o seguinte tema:

Os Impactos da Validação do Checklist da Higiene no Controle de Infecção Hospitalar

mariahelenaperaccini

MARIA HELENA PERACCINI

Membro do Conselho Fiscal e Fundadora da Sociedade Brasileira de Hotelaria Hospitalar.

Coordenadora Científica do Congresso Brasileiro de Hotelaria Hospitalar

Membro da Comissão Organizadora do Congresso Latino Americano de Hotelaria Hospitalar.

raqueloliveiraRaquel Oliveira

Raquel Oliveira: Graduada em Enfermagem pela Universidade Severino Sombra (Vassouras – RJ), MBA Gestão e Controle de Infecção Hospitalar – Instituto Hoyler – SP, Membro da CCIH – Hospital das Clínicas de Teresópolis Costantino Ottaviano – UNIFESO, Membro da Diretoria da Sociedade de Hotelaria do Estado do Rio de Janeiro – SHHERJ.

Consultoria e Acessoria em Controle de Infecção Hospitalar.

flavia_favero

A mesa redonda ainda terá a participação de Flávia Favero e Jeniffer Alonso

Flávia Fávero:

Gestora de Hotelaria no Hospital Unimed Petrópolis –

Presidente da Sociedade de Hotelaria Hospitalar do Estado do Rio de Janeiro

img-20191015-wa00021407943609153995061.jpgJeniffer Alonso

Coordenadora do Serviço de Controle de Infecção do Hospital Unimed Petrópolis

 

 

 

 

INSCRIÇÕES:

Informações: https://doity.com.br/vi-simposio-estadual-hotelaria

NÃO HAVERÃO INSCRIÇÕES NO LOCAL

OBS: AS INSCRIÇÕES SERÃO ENCERRADAS NO DIA 05/11/2019 ÀS 00h

 

 

comissaoexecutiva

Robôs são realidade para atendimento nos Hospitais

Participamos da Hospitalar 2019 (maior feira do setor da América Latina). Ficamos no Stand temático da própria organização, o Facilities Innovation.

Levamos o Robô para demonstrar o potencial de absorvermos atividades nos Hospitais  possibilitando mais disponibilidade e eficiência em diversos processos atuais.

No vídeo a seguir o Professor Marcelo Boeger, explica um pouco sobre este espaço da Feira Hospitalar e um dos próprios Robôs (neste caso a Plug) falando um pouco de seu potencial na área de saúde:

No Stand a Plug, sabia informar sobre tudo que estava exposto, os visitantes poderiam perguntar sobre qualquer item ou solução, segue respondendo sobre Gerenciamento de leitos.

Saímos de Feira Hospitalar com solicitações de Hospitais de todo país. Cada projeto, exigirá  integrações e automações diferentes. Uma aplicação que foi solicitada por alguns e acreditamos que tem grande potencial, que é fazer o “checkin” para procedimentos agendados. Muito parecido com o papel o qual estes Robos já estão praticando nos Hotéis (de Concierge). No vídeo a seguir temos uma reportagem do Jornal da Cultura que mostra um destes em ação:

Double-1Durante a feira, levamos um segundo Robô, o Double.

Que permite o controle remoto de todas suas funções: andar, virar, filmar e transmitir. Com ele é possível efetuar uma telepresença. Queremos usá-lo para aumentar o acompanhamento dos médicos aos pacientes, aumentando as oportunidades de interação e não limitando apenas aos momentos de presença física.

Outra utilidade que vislumbramos é o uso deste para possibilitar uma telepresença dos familiares em unidades de isolamento. Através de qualquer interface web, é possível comandar o Double e navegar. Demonstramos durante a feira o uso dele, e visitamos os stands vizinhos e comandamos passeios deste Robô a distância.

Atenção até das Televisões:

img_20190525_122912_621398313180114705665.jpg

A participação da Plug foi um dos destaques do Facilities Innovation, durante a feira alguns veículos de mídia tradicional se interessaram . Dentre eles recebemos equipes das Televisões Record e Globo.

Ao lado temos um dos sócios da Voice, Marcius Wada  concedendo uma entrevista para TV Globo. Durante a matéria gravada a Plug obedeceu comandos, respondeu informações e ajudou nos deslocamento do Stand.

Nas mídias sociais

Muita gente pedia uma foto com a Plug. No instagram vimos diversas fotos da Plug. A própria organização da feira publicou o seguinte post:

Participação da Plug no Congresso

A Pulg também participou do Congresso de facilities, no vídeo a seguir temos ela demonstrando suas habilidades em dança:

Outros links sobre a participação da Plug:

Galeria de Fotos

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sobre a Hospitalar

Evento de Hotelaria Hospitalar da Fehosp

palestrafehosp

fehosplogoCom apoio da SLAHH, aconteceu evento de Hotelaria Hospitalar, direcionado às Santas Casas, dentro da Fehosp. Marcaram presença a Santa Casa de Porto Alegre, Santa Casa de Santos, Hospital Monte Sinai e Hospital de Matão. Ao todo, foram mais de 140 inscritos.
Um sucesso!

fehosppala

Criando um Diferencial no Atendimento ao Paciente e Familiares: repensando o fluxo, recepção, segurança

topo_novo_1.pngOnde começa um atendimento hospitalar? Essa pergunta foi feita em uma pesquisa na década de 60 para um grupo de profissionais de hospital e teve respostas variadas dos enfermeiros e médicos, cada qual focando isoladamente o seu processo e o seu ambiente. Se fosse perguntado atualmente, certamente os olhares seriam outros.

A humanização do ambiente hospitalar coloca os valores de hospitalidade a nortear processos e métodos, e principalmente as atitudes dos profissionais afetos ao atendimento ao paciente, desde a chegada até a saída do hospital. Entender as sensações dos pacientes, dos seus familiares, e saber trabalhar com elas de maneira profissional, pode não só distinguir uma instituição das demais, como também fazer com que ela seja reconhecida pelos que por ela são atendidos, como uma instituição comprometida com os melhores e mais autênticos valores sociais.

Dentre os Fóruns do Congresso Anual da Fehosp, teremos um focado em Hotelaria e Hospitalidade (Fórum 8)

FÓRUM 8 – Hotelaria e Hospitalidade

Dia 24 – Quarta-Feira 9h às 9h40 -Criando um Diferencial no Atendimento ao Paciente e Familiares: repensando o fluxo, recepção, segurança

Dentre os palestrantes, Teremos

janaina reisJanaina Reis

Formada em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa e pós-graduada em logística hospitalar, promotora e coordenadora do evento Simpósio de Hotelaria Hospitalar da Zona da Mata Mineira (4°edição), consultora em hotelaria hospitalar e convencional tendo experiência de 8 anos como Coordenadora da Hotelaria Hospitalar em uma instituição acreditada internacionalmente.

 

 

Ingrid Schuch

Ingrid-SchuchConsultora e Especialista em apresentar diagnóstico e soluções para projetos de implantação da Hotelaria em Hospitais, com referência em Hospitais privados e Públicos de POA e SP. Atua como Docente na Faculdade Castelli – Canela, RS(na Graduação de Hotelaria e Hospitalidade).Coordenadora do Curso de Extensão de Hotelaria Hospitalar na Fundatec- POA, também atua como Docente na Universidade La Salle Business Scholl- Canoas, RS Curso de MBA Gestão em Saúde, na disciplina de Hotelaria e  Hospitalidade em Serviços de Saúde.

 

Fonte:

Linkedin de:

imagem_release_1700843boeger

Marcelo Boeger

Consultor e Gestor em Hotelaria e Facilities
na Hospitalidade Consultoria
Presidente da SLAHH

 

O verdadeiro papel dos líderes por Marcelo Boeger

Matéria retirado do perfil do linkedin de:

Marcelo Boeger Consultor e Gestor em Hotelaria e Facilities na Hospitalidade Consultoria

Marcelo BoegerPresidente da Sociedade Latino Americana de Hotelaria Hospitalar e Vice-Presidente da AMTSBE – Associação Mundial de Turismo de Saúde e Bem-Estar.

– Mestre em Planejamento Ambiental pela Universidade Ibero Americana
– Mestre em Gestão da Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi.
– Coordenador e professor do curso de especialização do Hospital
Albert Einstein e professor convidado nos cursos de MBA em Gestão da
Saúde e Infecção Hospitalar (INESP) e Fundação UNIMED.
– Líder e fundador do Grupo de Excelência em Hotelaria do Conselho Regional de Administração de São Paulo;
– Sócio e Consultor da Empresa Hospitallidade Consultoria e autor de
diversos livros, entre eles:
· Liderança em 5 Atos, Editora Yendis, 2012 (co-autor) 2a. edição.
· Manual de Especialização em Hotelaria Hospitalar do Hospital Albert
Einstein, Ed.Manole,2011 (organizador)
· Hotelaria Hospitalar, Gestão em Hospitalidade e Humanização- 3ª.
edição – ed. Senac, 2011 (autor).

 

Artigo publicado no Jornal TodoDia, de Americana/Campinas – SP, sobre o verdadeiro papel dos líderes nas instituições de saúde. 

Link da Matéria Original

Marcelo Boeger explica a Síndrome de Boreout nas instituições de saúde

Por Marcelo Boeger* (repost da matéria da Revista InfraConteúdo publicado em 25 de março de 2019

As instituições hospitalares já conhecem os resultados da Síndrome de Burnout, na eficiência e na falta de humanização dos serviços, principalmente entre as equipes assistenciais. Ela caracteriza-se pela exaustão emocional, despersonalização e esgotamento gerado por forte estresse causado pela natureza do próprio trabalho que desempenha associado às condições em que suas atividades se desenvolvem.

 

O que poucos falam é sobre uma outra síndrome, que acomete as instituições de forma invisível e onerosa, a chamada “Síndrome de Boreout”, em que o colaborador não se identifica com aquilo que faz, atua mal e vagarosamente, apresentando resultados de baixo desempenho, usando seu tempo para assuntos pessoais – de forma discreta para garantir seu status quo, não ser identificado e manter a estabilidade de seu emprego, embora deteste as tarefas a serem desempenhadas -, quando possível, se escondendo atrás de reuniões intermináveis, comissões que o mantem longe de suas atividades originais e prefere atuar dentro das tarefas desenhadas sem metas e sem resultados claros ou mensuráveis.

O Boreout, pode ser caracterizado pelo sentimento de subutilização do colaborador, sua indiferença em relação aos resultados corporativos e enorme aborrecimento ao executar as tarefas de sua responsabilidade. As consequências são sempre sérias para a empresa. Pode afetar toda sua equipe de trabalho e até o cliente, devido à baixa produtividade, chegando em alguns casos mais extremos à sabotagem aos processos, atenção seletiva, absenteísmo e desumanização.

Alguns sintomas são clássicos: desânimo, depressão, ansiedade, tendências de isolamento, sensação de esgotamento físico e emocional, sabotagem ao processo, sofrimento e ansiedade diária antes de ir ao trabalho. A euforia em esperar diariamente o horário de fim da jornada e a escolha em não ser lembrado por sua liderança para realização de suas atividades, uma preguiça constante e a fuga de suas responsabilidades são facilmente identificáveis a um olhar mais atento.

Para reconhecer os sintomas e criar atividades mais desafiadoras e motivadoras, a liderança necessita mapear seus processos e criar parâmetros de mensuração de desempenho para que possa identificar baixa produtividade, problemas no ambiente de trabalho e tomar providências junto as suas equipes. São eles:

 Reconhecer o clima existente entre todos e monitorar o desempenho individual de cada colaborador.

 Criar um canal de comunicação entre os colaboradores e seus gestores ou mesmo com a área de Recursos Humanos (RH) pode ser um bom instrumento de captação e obtenção de informações sobre o clima organizacional. O RH pode, sem dúvida, ajudar na instrumentalização deste desempenho, mas este ainda é de responsabilidade da liderança imediata, que está junto, diariamente, de sua equipe e atua de forma direta.

 Sensibilizar essas lideranças para os sintomas, suas causas e consequências pode ser útil para os resultados.

 Ajudá-los a ter uma leitura do ambiente de trabalho, por meio de indicadores comportamentais pode ajudar a reconhecer estes problemas mais rapidamente para tomar providências, antes que sejam irreversíveis e se incorpore na cultura de toda uma equipe de trabalho.

Sentimento de baixo reconhecimento ou de não pertencimento são emblemáticos e um combustível excelente para que a Boreout exista. Quando a Boreout afeta profissionais de contato direto com o cliente, cuja atividade exige maior dedicação emocional e abnegação, normalmente os resultados são sentidos na avaliação do próprio cliente. Na área de Saúde, pode ser visto como aspectos de desumanização, baixo interesse nas atividades, morosidade na realização das tarefas e procrastinação.

A Boreout é resultado de um distanciamento do colaborador com o trabalho, por não ver mais sentido naquela ocupação, ou as vezes, pode acontecer por se sentir superqualificado para aquelas tarefas ou por não se identificar com aquilo que a empresa desenvolve ou produz – em suas metas e visões corporativas. Pode também se sentir pouco valorizado pelo baixo salário que recebe, quando comparado com o potencial que imagina ter, frustrando-se por ter que se submeter a atividades tão pouco desafiadoras.

 

Marcelo Boeger

Consultor e Gestor em Hotelaria e Facilities na Hospitalidade Consultoria

Marcelo BoegerAdministrador de Empresas, Coordenador e Professor do curso de especialização em hotelaria hospitalar do Hospital Albert Einstein (IIEPAE). Mestre em Planejamento em Gestão Ambiental pelo Centro Universitário Ibero Americano (Unibero), Mestre em Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi. Sócio e Consultor da empresa Hospitallidade Consultoria. Autor de diversos livros, entre eles: Liderança em 5 atos – ferramentas práticas para gestores em instituições de saúde (Yendis, 2012); Hotelaria hospitalar – Manuais de especialização Hospital Albert Einstein (Manole, 2011); e Hotelaria hospitalar – gestão em hospitalidade e humanização (2ª ed., Senac, 2012).

Hotelaria Hospitalar e Facilities: o diferencial no setor de saúde

Reproduzimos aqui neste post trechos da palestra do Professor Marcelo Boeger na última feira Hospitalar. O texto é do Professor e o link original se encontra nas fontes.

Marcelo Boeger, Presidente da Sociedade Latino-Americana de Hotelaria Hospitalar (SLAHH) e consultor da Hospitalidade Consultoria 

boeger_hotelaria_hospitalarMelhoria de desempenho da equipe, redução de custos, prestação de serviço de primeira…

A otimização de resultados por meio de pessoas e processos é o sonho de consumo de todo e qualquer gestor, independentemente do tamanho e do ramo do negócio.

Sempre há ajustes que podem e devem ser feitos para fomentar a produtividade e a rentabilidade.

Inclusive de instituições particulares e públicas da área da saúde, como hospitais, prontos-socorros, clínicas etc., que passam por problemas sérios de “saúde financeira, reflexos da conjuntura econômica e crise política que assola o País.

A gestão das áreas de hotelaria e facilities a cada ano vem se aprimorando e agrega tecnologia, ciência, conforto e segurança na hospitalidade, oferecendo qualidade, valor e satisfação para o cliente. Este segmento tem a função de contribuir no aprimoramento do sistema hospitalar, que deve ser o resultado de processos, trabalho e valores.

Desde 1999, ano em que passei a atuar no setor de hotelaria e facilities, a reclamação mais recorrente do paciente refere-se à demora no atendimento e também à falta de leito, que muitas vezes é liberado com muita lentidão. Essas falhas geralmente são frutos de uma inércia operacional e administrativa que envolvem pessoas sem metas claras, rotinas de serviços em desarmonia, ambientes e fluxos de pacientes mal resolvidos. Resultado: todos saem perdendo: o cliente final, os colaboradores, os médicos e o hospital.

facilities_innovationDo piso, passando pelas paredes e pelo mobiliário com dificuldade de higienização e secagem, até o horário em que são servidas as refeições, a maior parte da rotina de hotelaria interfere no “giro do leito”, isto é, quantas vezes o mesmo leito gira em um período, que é diretamente afetado pelo Tempo Médio de Permanência e pelo tempo entre a saída do paciente e a ocupação do mesmo leito por novo paciente. Alguns hospitais já conseguem reduzir esse tempo – o que reflete positivamente o faturamento no final do mês – conscientizando que todos os envolvidos fazem parte de um mesmo mecanismo: quando um trava, todo o time para, pois é uma meta compartilhada que deve envolver toda a equipe, fechando o elo.

Aproveitando o uso do leito com inteligência de processos

Essa corrida contra o relógio vem ocorrendo principalmente nos últimos anos, quando as instituições de saúde perceberam que, quando a área de hotelaria e facilities atua de forma estratégica em diferentes níveis de serviço – da diretoria ao operacional, passando pela gerência e coordenação –, tudo flui de maneira mais rápida e eficiente, reduzindo o tempo de permanência no ambiente da saúde e, ao mesmo tempo, otimizando monetariamente todo o processo.

Os hospitais são instituições complexas de serem administradas e a despeito de seus esforços, carecem de uma estrutura física e humana menos traumática ao paciente, podendo tornar a hospitalidade como um agente fomentador de calor humano, acolhimento, em contraste com a frieza do ambiente hospitalar. É possível evitar, por exemplo, que pacientes clinicamente aptos para ter alta fiquem internados por burocracias ou má gestão das tarefas clínicas. Também se pode escolher o tipo de cirurgia que será feita em determinados horários e dias da semana visando à disponibilidade de leitos.

Tudo pode ser mais bem gerenciado observando-se atentamente o próprio fluxo do hospital para estabelecer novas rotinas que favoreçam a realização de todos os serviços – da troca de uma lâmpada à compra de lençóis, passando pela escala de cirurgias. Com os reais números de quanto custa cada setor do hospital na mão, é possível realizar estudos para propor a escala de folga dos funcionários, o momento adequado para fazer a manutenção de um quarto, participação nos resultados para aqueles que atendem essas metas, entre outras benfeitorias.

Quando toda a engrenagem funciona bem, o paciente, mesmo não percebendo todos os pormenores, “registra” que viveu uma experiência positiva, em que “tudo ocorreu bem”, pois se sentiu seguro e confortável diante do atendimento prestado – sobretudo pelas pessoas que o acompanharam durante a estadia – com competência e agilidade. E isso já é mais do que suficiente para fidelizá-lo e gerar um desfecho positivo ao mesmo.

Portanto, a hotelaria hospitalar é um conjunto de processos, serviços e procedimentos, desde a arquitetura, instalações, equipamentos até os recursos humanos.

 Projeto arquitetônico a favor da fluidez na rotina hospitalar

Um bom projeto de arquitetura hospitalar é meio caminho andado para garantir que a logística de hotelaria e facilities funcione bem. Vai muito além da escolha de revestimentos, móveis e adornos. Começa com a criação de espaços, áreas de circulação e fluxos que sirvam de apoio no dia a dia clínico.

O depósito de material de limpeza, a copa, o expurgo, a rouparia, o abrigo de resíduos temporário, por exemplo, tem de estar estrategicamente alocado para não só atender normas e legislação, mas também para reduzir fluxos desnecessários, reduzir o uso de elevadores, gerenciar o fluxo de pacientes, seus acompanhantes, colaboradores e médicos.

Esse raciocínio vale para decidir onde manter um local para guardar o enxoval ou ainda montar uma miniestrutura na copa para abastecimento de utensílios e alimentos. Todos esses cuidados otimizam sobretudo o desempenho de todos os profissionais hoteleiros, que se sentem mais produtivos, porque conseguem concretizar as tarefas com mais assertividade – o retrabalho é sempre desmotivador e caro.

Uma arquitetura hospitalar, em harmonia com a área de facilities, entrega soluções mensuráveis, em médio e longo prazo, que refletem em todo e qualquer custo da operação diária de um hospital.

Apartamento na Feira Hospitalar:

vitrine de todo o processo de um hospital

Recentemente, em parceria com a acr arquitetura, a Grau Engenharia e a Senzi Lighting, participei da 25ª edição da Hospitalar apresentando um apartamento de internação, que foi usado para demonstrar algumas dinâmicas relacionadas a facilities. Atores simularam situações cotidianas de um hospital que puderam ser acompanhadas pelos visitantes em uma arquibancada estrategicamente locada.

O projeto agregou o que há de mais moderno em design, conforto e tendências, inclusive tecnológicas, como na área de iluminação e na plataforma de comunicação. Teve aspectos realistas e outros conceituais, além de apresentar inovações em revestimentos. Na ocasião, fiz palestras sobre produtos que reduzem custos e melhoram a eficiência e a segurança do paciente em hospitais, clínicas e laboratórios.

Por meio desse estande, mostrou-se que o apartamento de internação é uma pequena e importante parte de um universo muito grande, uma vitrine que reflete se os processos internos de um hospital estão ou não funcionando de forma eficaz e produtiva em todos os setores.

Demonstrações realistas

As demonstrações aconteceram no Quarto Hospitalar Modelo.

“Projetamos um quarto hospitalar com o objetivo de ser o mais humanizado possível. O espaço é bem conceitual, o que possibilita que o público veja com clareza o que será demonstrado dentro dele, mas também é um local onde se pode observar diversas tendências em tecnologias, design, novos materiais e mobiliário, por exemplo”,

explicou Antônio Carlos Rodrigues,

arquiteto titular da ACR Arquitetura, escritório especializado em saúde.

 

Fontes:

em 10 de Novembro de 2018

Marcelo Boeger, 

Presidente da Sociedade Latino-Americana de Hotelaria Hospitalar (SLAHH) e consultor da Hospitalidade Consultoria 

 

III Jornada de Hotelaria Hospitalar DF/GO

A III JORNADA DE HOTELARIA HOSPITALAR do DF e GO terá os seguintes palestrantes em destaque:

  • Professor Marcelo Boeger,
  • Professor Alvaro Camargo,
  • Gerente de Hotelaria do Hospital Anchieta: Izabela Moreira Alves,
  • Diretor de Saúde da Verzani: Maurício Almendro

Marcelo Boeger

marceloboeger

Marcelo Boeger

Presidente da Sociedade Latino Americana de Hotelaria Hospitalar Sócio Diretor da Hospitalidade Consultoria para Meios de Hospedagem. Coordenador e Professor da Pós Hotelaria Hospitalar do Einstein

Tema da Palestra:

Desperdício em Hotelaria Hospitalar

Alvaro Camargo

alvaro-camargo-palestrando.png

Alvaro Camargo

Álvaro Camargo é um profissional com 36 anos de experiência nas áreas de negócios e projetos empresariais. Autor de livros e artigos científicos. Professor e palestrante.

Experiência em trabalhos internacionais em projetos na América Latina, Estados Unidos, Japão e Africa.

Tema da Palestra:

Conflitos Sistêmicos

Izabela Moreira Alves

foto izabela

Izabela Moreira

Izabela Moreira Alves graduada em enfermagem e obstetrícia pela Universidade de Brasília-UnB.

Pos graduada em gestão hospitalar e sistemas de saúde pela faculdade Oswaldo Cruz

e especializada em relações humanas e liderança pela Dale Carnegie institute.

Atualmente gerente de hotelaria do Hospital Anchieta.

 

Tema da Palestra:

Gestão de Leitos

 

Maurício Almendro

Foto Mauricio.jpg

Mauricio Almendro

Engenheiro, administrador de empresas, pós graduado em administração de serviços, atuo no mercado de saúde há 20 anos, no comando de empresas especializadas em facilities hospitalar.

Iniciou a carreia como engenheiro clínico e posteriormente atuou como gerente de operações/facilities em clientes como Santa Casa de São Paulo, Hospital Albert Einstein, Medial Saúde, Intermédica e outros.

Atualmente é Diretor de Negócios em Saúde do Grupo Verzani & Sandrini, responsável pela desenvolvimento comercial e operação de clientes regulados pela ANVISA e uma carteira com mais de 30 contratos.

Tema da Palestra:

Facilities e Hotelaria Hospitalar

Programação do Evento

HORÁRIO ATIVIDADE
9h – Entrega das credenciais e Coffef Break.
9:40h – Abertura do evento
10h – Palestra: Gestão de Conflitos com Álvaro Camargo
11h – Palestra: Facilites x Hotelaria Hospitalar com Maurício Almeandro.
12h – Almoço
14h – Sessão descontração
14:20h – Palestra: Gestão de leito com Izabela Moreira

(Gerente do Hospital Anchieta)

15:20h – Palestra: Desperdícios na Hotelaria Hospitalar com Marcelo Boeger.
16:30h – Debate Interativo: Moderador Marcelo Boeger

17h

– Encerramento e Coffe Break

Sobre a Sociedade de Hotelaria Hospitalar do DF/GO

hotelariahospitalardfgoA SBHHDFGO é a organizadora da Jornada de Hotelaria Hospitalar.

A Hotelaria Hospitalar nos últimos anos tem sido alvo de debates, discussões e inovações no âmbito da saúde. Devido à necessidade de oferecer apoio aos profissionais da área de saúde e ampliar os debates por intermédio dos congressos, observaram a necessidade da criação da Sociedade Brasileira de Hotelaria Hospitalar.

As idealizadoras do Socidade do Distrito Federal e Goiás foram Rosângela Sampaio, ,Patrícia Prioto de Goiânia e Raquel Regina

Contatos:  Brasília – DF / Goiânia – GO – 61.8448-1794 | 61.9958-0050 62.9209-7708