Revista Panorama da Anahp – Especial Covid-19. Pronta para baixar

Revista Panorama Anahp – 74: Download

anahppanoramaOlhar além da pandemia

O ano de 2020 será lembrado como um período de mudanças. O principal motivo, infelizmente, é a pandemia do novo coronavírus que se instalou no mundo inteiro, deixando milhões doentes e milhares de mortos.

Perdemos pessoas próximas, profissionais e, dizem por aí, que perdermos um ano econômico. Mas se olharmos ao redor veremos que também ganhamos: aprendemos sobre o valor das relações pessoais e da solidariedade e nos reinventamos. E, mais do que tudo, valorizamos mais a saúde.

Nosso setor foi desafiado diante da ameaça de um colapso. Tivemos que lidar com uma doença desconhecida e temos vivido dias intensos de reestruturação de fluxos e protocolos. Sofremos com nossas UTIs cheias e, ainda assim, com a nossa sustentabilidade financeira ameaçada. Em contrapartida, nos aproximamos dos nossos pares – prestadores de serviço, indústria e operadoras – e abrimos diálogos maduros em busca de soluções.

A Anahp, especialmente, não será mais a mesma após essa crise. Amadurecemos e ganhamos experiências valiosas para a nossa caminhada em busca de excelência. Assumimos o nosso papel como uma liderança forte, à frente de debates que agora se fazem presentes nas conversas de todos os brasileiros.

Matéria de capa é sobre a pandemia e seus efeitos, mas a saúde está muito além disso. Na verdade, ela é mais do que qualquer doença que nos assole. Falar sobre saúde é também falar sobre tecnologia, responsabilidade social, segurança, compliance, política e tributos. É entender que somos responsáveis pela vida das pessoas e entregar o que pacientes entendem por valor.

 

O uso dos robôs humanoides pode apoiar em uma série de atividades junto ao cliente

Republicação de post do Professor Marcelo Boeger

Screenshot from 2020-03-16 23-11-42O uso dos robôs humanoides pode apoiar em uma série de atividades junto ao cliente. Podem oferecer informações sobre localização de serviços, interagir durante uma espera, informar a senha de wifi individual, acompanhar o cliente até um determinado serviço e até mesmo fazer companhia às pessoas solitárias. Utilizam algoritmos de autoaprendizagem que reconhecem padrões e processamento de linguagem natural. Claro que a ideia não é jamais substituir o discernimento e as emoções humanas no relacionamento com o cliente – até porque seria impossível. Engana-se quem pensa que sua utilização chegará ao ponto de chamar uma enfermeira e correr o risco de aparecer um robô entrando pela porta do quarto. A ideia é justamente o contrário. Liberar as equipes (de humanos) para realização das tarefas mais importantes e insubstituíveis. Liberar os profissionais de atividades rotineiras, insalubres, com riscos à sua segurança para que, os profissionais de “carne e osso” possam cuidar, atender, compreender e humanizar.

Sobre o Autor

Marcelo Boeger

Marcelo Boeger

Consultor e Gestor em Hotelaria e Facilities na Hospitalidade Consultoria

É tempo de Humanizar!

tempodehumanizar.pngartigo de Renata Baleotti:

O cenário da saúde mudou e vem mudando cada vez mais.

O cliente não busca mais somente o tratamento e a cura. Tudo o que acontece com ele desde a chegada até a saída de um hospital é levado em conta e, faz uma diferença enorme.

Todo esse processo é chamado de experiência. O que pode ser boa ou ruim. E para uma boa experiência o que vale não é somente o que é feito mas também como é feito dentro dos hospitais.

A humanização no ambiente hospitalar é de fato muito importante.

Mas é preciso tempo pra humanizar? Eu já escutei a seguinte frase de funcionários, inclusive gestores, sobre o assunto:

“Nossa rotina é muito corrida! Não temos tempo pra isso”.

É esse pensamento que precisa ser mudado na cultura organizacional em algumas instituições. Pra Humanizar, basta SER humano.

O dia a dia humanizado é simples. Basta ter atitude e mudança de comportamento. Um ambiente humanizado traz um retorno muito significativo tanto para o hospital quanto para o cliente de saúde.

Algumas ações de humanização demandam, sim, mais tempo. A receita é gerenciamento de tempo! E vou até além do tempo… empatia, criatividade e vontade.

Sobre Renata Baleotti

Renata BaleottiRenata é especialista em Hotelaria Hospitalar,

Interessada em Humanização hospitalar, realizou trabalhos em Hospitais públicos e privados.

Formada em Hotelaria e Turismo na UNAERP.

Trabalhou em grandes Hospitais como a Santa Casa de Sertãozinho e o Hospital CopaD’or (Rio de Janeiro).

Acredito que seja interessante para inspirar gestores. Mostrar que a humanização dentro de hospitais é possível. E que não precisa de grandes investimentos. Pra Humanizar, basta SER humano.

Renata Baleotti

Textos relacionados:

O maior luxo da Hotelaria é a Hospitalidade

Artigo de Renata Baleotti

hhluxo.pngPensar em hotelaria como somente um serviço de luxo é algo totalmente errado.

A rede hoteleira tem meios de hospedagem de várias categorias. Dos mais simples aos mais luxuosos. A hotelaria dentro dos hospitais padroniza e organiza os serviços de apoio, melhora processos, reduz custo e otimiza o setor assistencial.

Podemos dizer, ainda, que ela valoriza a equipe, fideliza e encanta o cliente de saúde.

O maior luxo da hotelaria é a hospitalidade.

Quando os gestores hospitalares entenderem isso, teremos muito mais hospitais encorajados a promover um serviço de saúde melhor para todos os tipos de públicos com a implantação da hotelaria.

 

Sobre Renata Baleotti

Renata BaleottiRenata é especialista em Hotelaria Hospitalar,

Interessada em Humanização hospitalar, realizou trabalhos em Hospitais públicos e privados.

Formada em Hotelaria e Turismo na UNAERP.

Trabalhou em grandes Hospitais como a Santa Casa de Sertãozinho e o Hospital CopaD’or (Rio de Janeiro).

Acredito que seja interessante para inspirar gestores. Mostrar que a humanização dentro de hospitais é possível. E que não precisa de grandes investimentos. Pra Humanizar, basta SER humano.

Renata Baleotti

Textos relacionados:

 

Nutrição e Hotelaria Hospitalar

20191004_123332_0000.pngArtigo de Renata Baleotti em parceria com Nutrição Intensiva
Deu vontade de comer!
Se comer é um dos maiores prazeres que o ser humano tem na vida, se alimentar é essencial.
Quando se pensa em hospital, a fama é que a comida é ruim, sem gosto, sem cheiro… sem graça.
Cada paciente, além do gosto pessoal, requer uma atenção nutricional de acordo com o diagnóstico e tratamento.
Para uma boa experiência do paciente, a união do setor de nutrição com conceitos hoteleiros é um ótimo caminho a ser seguido.
Uma refeição com uma apresentação agradável é um chamativo para um paciente se alimentar. É muito importante também que, nesse momento, o paciente se sinta mais próximo da sua realidade.
Hoje fala-se muito em restaurantes no conceito “Comfort Food” ou seja, uma comida que busca despertar emoções através do paladar, com pratos que remetam a momentos especiais vividos pelas pessoas. O fato de despertar conforto e bem-estar ao ser consumida é fundamental para que este paciente se alimente melhor e da maneira adequada. Porque não levar este conceito para os hospitais também?!
A humanização está diretamente ligada também ao setor de nutrição. Empatia, criatividade e atitude dos gestores auxiliam muito nesse momento tão difícil do paciente.
Importante ressaltar o papel fundamental da equipe multidisciplinar quando falamos da alimentação dentro de um hospital. Muitas vezes o pré conceito é passado dos próprios profissionais para o paciente e, este entendimento da importância da alimentação para o paciente deve ser conscientizado em todas as áreas. A equipe multidisciplinar levará um atendimento mais completo para que o paciente se alimente de forma mais confortável e adequada, como por exemplo a avaliação da fonoaudióloga na consistência correta da dieta, o horário adequado da fisioterapia para que a incorporação proteica seja mais eficaz, o auxilio da equipe de enfermagem na hora da administração da dieta,  a avaliação do médico para que o jejum não seja prolongado e o paciente inicie a dieta o mais breve possível, a equipe de limpeza organizar os horários para que não interfira os outros odores nos momentos da alimentação, e a nutricionista avaliar a melhor dietética para adaptar cada caso, ou seja, a alimentação adequada deste paciente dentro do hospital dependerá de todos.

Sobre Renata Baleotti

Renata BaleottiRenata é especialista em Hotelaria Hospitalar,

Interessada em Humanização hospitalar, realizou trabalhos em Hospitais públicos e privados.

Formada em Hotelaria e Turismo na UNAERP.

Trabalhou em grandes Hospitais como a Santa Casa de Sertãozinho e o Hospital CopaD’or (Rio de Janeiro).

Acredito que seja interessante para inspirar gestores. Mostrar que a humanização dentro de hospitais é possível. E que não precisa de grandes investimentos. Pra Humanizar, basta SER humano.

Renata Baleotti

Sobre a Nutrição Intensiva

Foto do perfil de nutricao_intensiva

Nutrição Intensiva

🍎Pagina dedicada para os profissionais e estudantes com interesse em Terapia Nutricional🍏

📬nutrintensiva@gmail.com

 

 

Textos relacionados:

Psicologia, Hotelaria Hospitalar e humanização

img-20190806-wa00254583759078573353091.jpgUm dos objetivos da psicologia é a compreensão dos indivíduos.

Eu acredito muito no apoio/parceria de psicólogos na hotelaria hospitalar. O conhecimento desses profissionais sobre o ser humano é um aliado importante na transformação de um hospital não humanizado para um hospital humanizado.

A vida inteira escutamos que a primeira impressão é a que fica.

Ela conta muito, sim.

Porém, no ambiente hospitalar devemos ficar atentos na experiência inteira do cliente.

De tudo que o cerca.

Desde as relações pessoais quanto a apresentação pessoal dos colaboradores e a organização geral de uma instituição.

“Segundo a psicóloga Mara Sarti, tudo o que está diante do nossos olhos nos causa uma sensação positiva ou negativa. Fazemos uma percepção de tudo que nos acontece. Essa percepção depende do nosso estado emocional no momento”.

O ser humano tende a ficar mais tempo na memória experiências negativas.

Um hospital humanizado pode ajudar a amenizar uma situação de uma experiência ruim do cliente. As pessoas levam em conta o tratamento que recebem, o ambiente confortável, seguro e acolhedor, principalmente no momento de dor e agústia.

A imagem de uma instituição está intimamente ligada à experiência do cliente.

Sobre Renata Baleotti

Renata BaleottiRenata é especialista em Hotelaria Hospitalar,

Interessada em Humanização hospitalar, realizou trabalhos em Hospitais públicos e privados.

Formada em Hotelaria e Turismo na UNAERP.

Trabalhou em grandes Hospitais como a Santa Casa de Sertãozinho e o Hospital CopaD’or (Rio de Janeiro).

Acredito que seja interessante para inspirar gestores. Mostrar que a humanização dentro de hospitais é possível. E que não precisa de grandes investimentos. Pra Humanizar, basta SER humano.

Renata Baleotti

Textos relacionados:

Pare ! Olhe e Escute a experiência do cliente interno

No meu artigo anterior:
falei um pouco sobre a humanização & cliente interno.
Hoje, volto a falar, pois considero importante reafirmamos essa questão já que, estamos muito focados, no nosso dia a dia, a melhorar a experiência do nosso cliente externo, sejam eles pacientes, familiares e amigos.
A experiência do cliente interno tem um impacto muito grande na experiência do cliente externo.
Vejo gestores com o pensamento de que eles já são pagos para realizar o trabalho no qual foram contratados e nada mais precisa ser feito. Contudo, não é bem assim que funciona no dia a dia.
É através deles que vamos colocar em prática o que planejamos. Somente com treinamentos eles não vão conseguir superar as expectativas e encantar o cliente.
É uma relação de humano para humano.
Os colaboradores são seres humanos onde cada um tem sua vida pessoal trabalhando num ambiente de pressão. Eles vão trabalhar carregados de emoções. Sejam positivas ou negativas. Cuidar do emocional deles, dar exemplos diários e motivá-los vai fazer toda a diferença na excelência de uma instituição.
Precisamos de colaboradores que saibam a importância do cuidar e do servir e, isso vai além das técnicas profissionais.
É preciso parar, olhá-los e escutá-los.

Sobre Renata Baleotti

Renata BaleottiRenata é especialista em Hotelaria Hospitalar,

Interessada em Humanização hospitalar, realizou trabalhos em Hospitais públicos e privados.

Formada em Hotelaria e Turismo na UNAERP.

Trabalhou em grandes Hospitais como a Santa Casa de Sertãozinho e o Hospital CopaD’or (Rio de Janeiro).

Acredito que seja interessante para inspirar gestores. Mostrar que a humanização dentro de hospitais é possível. E que não precisa de grandes investimentos. Pra Humanizar, basta SER humano.

Renata Baleotti

Textos relacionados: